Os números de 2012

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2012 deste blog.

Aqui está um resumo:

4,329 films were submitted to the 2012 Cannes Film Festival. This blog had 28.000 views in 2012. If each view were a film, this blog would power 6 Film Festivals

Clique aqui para ver o relatório completo

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Breakbot – Baby I’m Yours (feat. Irfane)

Ultimamente tenho me derretido de paixão por esta música. Já colei o link dela em todas as mídias sociais que faςo parte, só estava faltando postar aqui. Eu sou a típica ouvinte descomedida. Meu marido vive me dizendo que eu mato as músicas pelas quais me apaixono de tanto escutá-las. Seguindo o raciocínio dele, esta aqui já deve estar na sétima reencarnação :D Se não estivéssemos na era digital, eu seria a feliz proprietária de uma coleção de LPs furados.

5 Comentários

Arquivado em ♫ Headfone ♪

Os números de 2010

Os duendes das estatísticas do WordPress.com analisaram o desempenho deste blog em 2010 e apresentam-lhe aqui um resumo de alto nível da saúde do seu blog:

Healthy blog!

O Blog-Health-o-Meter™ indica: Uau.

Números apetitosos

Imagem de destaque

Cerca de 3 milhões de pessoas visitam o Taj Mahal todos os anos. Este blog foi visitado cerca de 31,000 vezes em 2010. Se este blog fosse o Taj Mahal, eram precisos 4 dias para que essas pessoas o visitassem.

 

Em 2010, escreveu 7 novo artigo, aumentando o arquivo total do seu blog para 42 artigos. Fez upload de 19 imagens, ocupando um total de 2mb. Isso equivale a cerca de 2 imagens por mês.

The busiest day of the year was 8 de junho with 531 views. The most popular post that day was Comidas típicas da Dinamarca.

De onde vieram?

Os sites que mais tráfego lhe enviaram em 2010 foram search.conduit.com, regional.centralblogs.com.br, google.com.br, brazilians-abroad-blogs.blogspot.com e pt-br.wordpress.com

Alguns visitantes vieram dos motores de busca, sobretudo por comidas tipicas da dinamarca, comida tipica da dinamarca, batata recheada, sobrenomes brasileiros e sobrenomes ingleses

Atracções em 2010

Estes são os artigos e páginas mais visitados em 2010.

1

Comidas típicas da Dinamarca setembro, 2009
35 comentários

2

Qual é o seu sobrenome? abril, 2009
42 comentários

3

Batata recheada com frango e bacon maio, 2009
7 comentários

4

Meu top 10 de aplicativos para o iPhone agosto, 2009
1 comentário

5

Um pouquinho de Londres junho, 2009
10 comentários

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Penne aos dois molhos

Achei essa receita numa revista Manequim antiga da minha mãe. Aqui vai ela com algumas alteraçõezinhas.

penne

Ingredientes

– 350 g de macarrão tipo penne

– 300 gramas de mussarela em tirinhas (para quem mora na Dk melhor colocar revet ost)

– 8 colheres de sopa de azeite

– ½ colher de sopa de alecrim

– sal a gosto

– 8 dentes de alho

– 80 g de queijo gorgonzola

– 1 e ½ xícara de chá de leite

– 1 colher de sopa de maisena ou farinha de trigo

– 1 lata de creme de leite sem soro

– 250 g de champignons picados

– 1 cebola média picada

– orégano e manjericão fresco a gosto

– 1 caixa de purê de tomate

– 6 colheres de sopa de cheiro-verde (opcional)

– parmesão ralado para polvilhar

Preparo

1. Cozinhe o macarrão al dente, escorra, coloque num refratário regue com um pouco de azeite para não grudar. Cubra o macarrão com o queijo e reserve.

2. Aqueça o azeite numa panela, coloque o alecrim e deixe tomar gosto. Coe e divida o azeite em duas panelas.

3. Em uma das panelas prepare o molho de queijo. Doure metade do alho e da cebola, acrescente o queijo gorgonzola e mexa até derreter. Junte o leite com a maisena dissolvida e mexa até engrossar. Retire do fogo, acrescente o creme de leite e os champignons e tempere com sal, orégano e manjericão a gosto. Coloque o molho em cima da massa reservada.

4. Na outra panela doure o restante do alho e da cebola. Acrescente o molhe de tomate e cozinhe. Acrescente o cheiro-verde (se gostar, eu não gosto então não coloquei), tempere a gosto e coloque no penne, sobre a camada de molho branco.

5. Polvilhe o parmesão e leve ao forno para gratinar

Rendimento: 4 porções

Tempo de preparo: 1 hora

Acompanhamento: por ser um prato bastante calórico e saboroso, pode ser servido apenas salada.

Obs.: Na receita original as tiras de mussarela devem ser colocadas dentro de cada penne. Deve ficar muito mais gostoso dessa forma. Quem tem paciência de monge deve tentar.

O purê de tomate em caixa pode ser substituído por 6 tomates grandes picados, sem pele e sem sementes.

Eu usei champignons frescos, não sei se fica gostoso usando aqueles de conserva. Quem não tem os frescos e não gosta dos em conserva é só riscar esse ingrediente .

Quem decidir fazê-la me conta depois como ficou, se fez alguma alteração…

4 Comentários

Arquivado em Aventuras na Cozinha

Amargura – Paulo Coelho

No meu livro “Veronika decide morrer”, que se passa em um hospital psiquiátrico, o diretor desenvolve uma tese a respeito de um veneno indetectável que contamina o organismo com o passar dos anos: o vitríolo.

Assim como a libido – o líquido sexual que o Dr. Freud reconhecera, mas nenhum laboratório fora jamais capaz de isolar, o vitríolo é destilado pelos organismos de seres humanos que se encontram em situação de medo. A maioria das pessoas afetadas identifica seu sabor, que não é doce nem salgado, mas amargo – daí as depressões serem profundamente associadas com a palavra Amargura.

Todos os seres têm Amargura em seu organismo – em maior ou menor grau – da mesma maneira que quase todos temos o bacilo da tuberculose. Mas estas duas doenças só atacam quando o paciente acha-se debilitado; no caso da Amargura, o terreno para o surgimento da doença aparece quando se cria o medo da chamada “realidade”.

Certas pessoas, no afã de querer construir um mundo onde nenhuma ameaça externa pudesse penetrar, aumentam exageradamente suas defesas contra o exterior – gente estranha, novos lugares, experiências diferentes – e deixam o interior desguarnecido. É a partir daí que a Amargura começa a causar danos irreversíveis.

O grande alvo da Amargura (ou Vitríolo, como preferia o médico do meu livro) é a vontade. As pessoas atacadas deste mal vão perdendo o desejo de tudo, e em poucos anos já não conseguem sair de seu mundo – pois gastaram enormes reservas de energia construindo altas muralhas para que a realidade fosse aquilo que desejavam que fosse.

Ao evitar o ataque externo, também limitam o crescimento interno. Continuam indo ao trabalho, vendo televisão, reclamando do trânsito e tendo filhos, mas tudo isso acontece automaticamente, sem que entendam direito porque estão se comportando assim – afinal de contas, tudo está sob controle.

O grande problema do envenenamento por Amargura reside no fato de que as paixões – ódio, amor, desespero, entusiasmo, curiosidade – também não se manifestam mais. Depois de algum tempo, já não restava ao amargo qualquer desejo. Não tinham vontade nem de viver, nem de morrer, este era o problema.

Por isso, para os amargos, os heróis e os loucos são sempre fascinantes: eles não têm medo de viver ou morrer. Tanto os heróis como os loucos são indiferentes diante do perigo, e seguem adiante apesar de todos dizerem para não fazerem aquilo. O louco se suicida, o herói se oferece ao martírio em nome de uma causa – mas ambos morrem, e os amargos passavam muitas noites e dias comentando o absurdo e a glória dos dois tipos. É o único momento em que o amargo tem força para galgar sua muralha de defesa e olhar um pouquinho para fora; mas logo as mãos e os pés cansam, e ele volta para a vida diária.

O amargo crônico só nota a sua doença uma vez por semana: nas tardes de domingo. Ali, como não tem o trabalho ou a rotina para aliviar os sintomas, percebem que alguma coisa está muito errada.”

Texto retirado do blog de Paulo Coelho. Para segui-lo no twitter clique aqui.

2 Comentários

Arquivado em Cult, DispērsuS

Fastelavn

Fastelavn ballerup

Hoje comemora-se o Fastelavn na Dinamarca, festa que partilha das mesmas raízes do nosso carnaval, vem do catolicismo romano.  A palavra Fastelavn significa “a noite que antecede a Quaresma”, porque acontecia 49 dias antes do domingo de Páscoa e era uma data para se reunir com a família e comer o quanto podiam, especialmente muita carne e gordura, antes de enfrentarem os 40 dias dias de jejum durante Quaresma e a Semana Santa.  Depois que a Dinamarca passou a ser um país protestante, essa festa deixou de ter cunho religioso e passou a ser celebrada para festejar a chegada da primavera.

Hoje em dia o Fastelavn é voltado para as crianças. Nas creches, escolas e comunidades, elas se fantasiam e brincam de “slå katten af tønden”, jogo que segue o mesmo princípio do quebra-panela do Brasil, sendo que eles usam um barril de madeira ou papelão cheio de doces e frutas, decorado com a figura de um gato preto. As crianças são dispostas numa fila e com um taco de madeira tem que bater no barril até os doces caírem no chão. A brincadeira continua até o barril ser completamente quebrado. Aquele que quebra o barril fazendo cair os doces é chamado de kattedronning (rainha dos gatos) e o que quebra a último pedaço é chamado de kattekonge (o rei dos gatos) e recebe uma coroa. No passada um gato de verdade era colocado dentro do barril e recebia pauladas até a morte, assim acreditava-se livrar as cidades da peste. O pior é que os coitados dos gatos não sofriam só aqui na Dinamarca, na França eles eram jogados vivos na fogueira de São João e na da Páscoa na Alemanha, ou eram atirados da torre de uma igreja.  Diz-se que um pastor dinamarquês, por volta de 1830,  pôs fim a matança de gatos colocando um porco no barril. Argh!

Fastelavnst_nde_322885a

Também fazem parte da tradição os fastelavnsvoller – bolinhos recheados com creme e geléia, preparados com a ajuda das crianças. Eles representam a comida gordurosa que era servida antes do grande jejum.

billed

As crianças também costumam sair cantando pela vizinhança a música fastelavn er mit navn, para ganharem dinheiro ou bombons. Alguém se lembrou do  Halloween?

Enquanto isso, no Brasil ainda restam quase 3 dias de carnaval. Espero que cada um aproveite este longo feriado da forma que mais gosta, descansando ou caindo na folia. Nessa época eu tenho muitas saudades de Olinda, fico com esta música na cabeça:

“Olinda! Quero cantar a ti esta canção
Teus coqueirais, o teu sol, o teu mar
Faz vibrar meu coração, de amor a sonhar
Em Olinda sem igual
Salve o teu Carnaval!” (Elefante – Clídio Nigro / Clóvis Vieira)

Fonte: Wikipédia

6 Comentários

Arquivado em Sobre a Dinamarca

O ABC da mulher

Kvindens ABC (O ABC da mulher) – Ursula Reuter Christiansen – 1871

Museu Nacional de Arte – Copenhage/Dk

Clique na foto para aumentá-la.

Deixe um comentário

Arquivado em Cult, Sobre a Dinamarca